Pix Saque e Pix Troco começam em 29 de novembro; limite de R$ 500

Foto de Time Juno
Por Time Juno
13 min de leitura
03/09/2021

Pix Saque e Pix Troco estarão disponíveis a partir do dia 29 de novembro de 2021. Veja como os saques em dinheiro vivo do Pix vão funcionar.

Desde que foi lançado, em novembro de 2020, até junho de 2021, o Pix já movimentou mais de R$ 1,6 trilhão, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central. Como a adesão da população e do comércio realmente é grande, o BC anunciou novidades referentes ao seu meio de pagamento instantâneo. Agora, a previsão é de que sejam lançados o Pix Saque e Pix Troco — funcionalidades que chegam para facilitar o acesso a dinheiro em espécie para os usuários do Pix — disponíveis a partir de 29 de novembro de 2021.

Por mais digital que o universo financeiro esteja se tornando, o dinheiro em espécie ainda faz a diferença na rotina de muita gente. O uso do papel está diretamente ligado à classe de renda do brasileiro, conforme mostrou uma pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva. Nas classes D e E, 65% disseram que o dinheiro é a forma de pagamento mais utilizada, parcela que cai para 38% na classe C e para 15% nas classes A e B.

Portanto, garantir o acesso ao saque para toda essa parcela da população é extremamente importante. Nesse sentido, o Pix Saque e Pix Troco chegarão para fortalecer o sistema financeiro e oferecer mais oportunidades para os consumidores.

O que é Pix?

pix saque e pix troco - a foto mostra um aparelho de celular e, em sua tela, consta a logo do Pix, meio de pagamento instantâneo criado pelo banco central

Antes de entrarmos em detalhes sobre as novas funcionalidades que o Banco Central pretende implementar, vale a pena trazermos um contexto atualizado (com dados de julho de 2021) referente à modalidade de transferência.

O Pix é o meio de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central. Diferente de outras modalidades de transferência de dinheiro já conhecidas no país, ele está fazendo muito sucesso graças à sua velocidade e disponibilidade

Com transações bancárias que podem ser feitas 24 horas por dia, todos os dias da semana e do ano, incluindo finais de semana e feriados, e compensação de pagamento que ocorre em até 10 segundos, o sistema de pagamentos instantâneos já conquistou tanto quem vende quanto quem compra.

De acordo com dados do BC, existem mais de 102 milhões de usuários do Pix no Brasil. Desde novembro de 2020, já foram realizadas 3,1 bilhões de transações. Na antevéspera do Dia dos Pais de 2021 (em 06/08), inclusive, o Pix bateu um novo recorde e ultrapassou a casa das 40,4 milhões de transações feitas em apenas um único dia.

Para o consumidor, a praticidade na realização de pagamentos e transferências a qualquer momento e dia, com alta velocidade, tem gerado grande adesão ao novo sistema de pagamentos.

Para as empresas, o Pix também traz benefícios, pois a compensação acontece em até 10 segundos! Isso significa liberação da verba da venda mais rápida para incluir em seu orçamento, reduzindo a inadimplência de meios de pagamento como o boleto, por exemplo.

Pix Saque e Pix Troco: o que são?

Com os consumidores e os comerciantes aderindo cada vez mais ao Pix, o Banco Central anunciou a implementação de duas novas funcionalidades para inovar ainda mais o meio instantâneo de pagamento, sendo elas o Pix Saque e o Pix Troco.

As novidades sobre as duas ferramentas foram comunicadas pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, durante o 33º Congresso Nacional Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) que aconteceu virtualmente entre os dias 11 e 13 de agosto de 2021; e também confirmadas no site do próprio próprio Banco Central no dia 02 de setembro de 2021.

O Pix Saque e o Pix Troco permitirão a realização de saques em dinheiro vivo em estabelecimentos cadastrados e aprovados pelo Banco Central por meio do Pix — sendo que cada um seguirá regras específicas. Qualquer pessoa que tenha conta em bancos ou instituições regulamentadas pelo BC, que ofereçam a modalidade de Pix, poderá usufruir dessa inovação.

Benefícios para estabelecimentos e limites de saque do Pix

De acordo com o BC, os estabelecimentos que aderirem ao Pix Saque e Pix Troco serão remunerados por transação “que pode variar entre R$ 0,25 e R$ 0,95, a depender da negociação com a sua instituição de relacionamento. A instituição de relacionamento do usuário sacador é quem fará o pagamento dessa tarifa”, conforme nota.

Foi confirmado, também, que o troco e o saque do Pix serão gratuitos para o consumidor, incluindo empresários individuais, com limite de até 8 transações por mês.

A autoridade monetária confirmou que, a princípio, o valor movimentado será limitado a R$ 500 durante o dia e R$ 100 no período entre 20h e 6h.

O objetivo das duas modalidades é oferecer mais conveniência ao consumidor, ampliar a capilaridade do serviço em todo o país e aumentar a competição nas transações eletrônicas com o Pix.

Ao mesmo tempo, o Banco Central ainda continua com a intenção de incentivar a população a utilizar mais transferências e pagamentos eletrônicos, aqueles feitos por smartphones e internet banking.

“O objetivo continua sendo tirar o dinheiro de circulação. Mas quando se está nesse processo de eletronização, é preciso dar para a população o sentimento de que a qualquer momento ela vai poder sacar os seus recursos e utilizar o papel moeda. Se não tiver isso, ela vai resistir ao processo eletrônico”, explicou Carlos Eduardo Brandt, chefe adjunto do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro.

Pix Saque: como vai funcionar

pix saque e pix troco - a foto mostra o bolso de uma calça jeans, dentro dele tem um aparelho de celular com a logo do pix na tela e notas de dinheiro

O Pix Saque é a transação exclusiva para a retirada de recursos em espécie. Dessa forma, comerciantes e lojistas passam a atuar como se fossem caixas eletrônicos. Ou seja, o usuário do Pix poderá sacar dinheiro em espécie em uma padaria, um supermercado e em tantos outros estabelecimentos credenciados pelo BC sem necessariamente adquirir um produto nesses locais.

De acordo com os estudos do Banco Central, o consumidor fará a leitura de um QR Code em um equipamento do estabelecimento, autenticará a operação pelo celular e, em até 10 segundos, fará um Pix para o estabelecimento. Em contrapartida, ele vai receber o dinheiro em espécie. A grana vai para o bolso do consumidor e o estabelecimento recebe uma remuneração por ter feito o serviço.

O Pix Saque poderá ser oferecido por estabelecimentos comerciais, instituições financeiras ou outras empresas e instituições especializadas no serviço de saque.

Pix Troco: como vai funcionar

pix saque e pix troco - a foto mostra uma pessoa segurando um celular e, por meio do aparelho, realiza a leitura de um qr code

Diferente do Pix Saque, o Pix Troco está condicionado à realização de uma compra. Pense na seguinte situação:

É sábado de manhã e você foi à padaria para comprar um pãozinho e outras guloseimas para aproveitar no fim de semana. Ao final do pedido, sua conta deu R$ 25. Você abre a carteira e vê que só tem R$ 5 e, na hora, parte para realizar o pagamento por Pix.

Nesse milésimo de segundo em que você tomou a decisão de pagar por Pix, você também se lembrou que, mais tarde, vai dar uma volta na pracinha — justamente onde fica a barraquinha de pipoca do Senhor João, considerada a melhor da cidade (claro que você vai querer comprar!). Essa pipoca lá na barraquinha custa R$ 10 e o Senhor João só aceita pagamento em dinheiro por enquanto.

Se a padaria for credenciada pelo Banco Central para atuar com o Pix Troco, você poderá pedir para que o Atendente de Caixa da padaria faça um Pix Troco para você. Em vez de pagar R$ 25 no Pix, você pedirá para passar R$ 30 — sendo que R$ 25 é para pagar pelos itens da padoca e R$ 5 volta em espécie para o seu bolso. Com isso, você garante seu pão e o dinheiro para comprar a pipoquinha no final do dia.

Assim como no Pix Saque, você vai apontar seu celular para um QR Code gerado no equipamento do estabelecimento e finalizará a transação em até 10 segundos — enviando um Pix para a loja.

Benefícios do Pix Saque e Pix Troco

pix saque e pix troco - a foto mostra uma vendedora dentro de uma loja de roupas

Tanto o Pix Saque quanto o Pix Troco irão trazer mais praticidade para os usuários do Pix. O consumidor que possui apenas conta digital (que não tem agência física como os “bancões” tradicionais) realmente sai na frente com as vantagens. 

Hoje, essa pessoa faz saques em máquinas de ATM ou nos caixas 24h — que geram taxas para o consumidor. Com os recursos do Pix, mesmo que exista um limite diário e mensal de transações, já se sabe que o cliente não terá custo.

Pessoas que moram em bairros mais afastados nos quais não existe caixa eletrônico de Banco24Horas ou vivem em pequenos municípios no Brasil que ainda não possuem agências bancárias terão maior facilidade e conveniência para efetuar saques em postos de gasolina, lojas de varejo, supermercados entre outros estabelecimentos autorizados junto ao BC.

Já o empreendimento que ofertar esse tipo de serviço terá a chance de gerar oportunidades de vendas. Afinal de contas, novas pessoas entrarão no estabelecimento para fazer um simples saque, mas poderão se interessar por algum produto ou serviço oferecido e efetuar a compra. Isso sem contar na fidelização do cliente ou até mesmo no aumento da geração de valor para os negócios locais.

De acordo com Carlos Eduardo Brandt, os dois novos produtos trarão mais eficiência ao sistema financeiro por meio da reutilização do dinheiro no varejo e do aproveitamento dessa rede.

“A possibilidade de contar com estabelecimentos comerciais para ofertar o serviço de saque tem o potencial de reduzir o custo logístico e operacional com a distribuição de numerário, racionalizando a movimentação de meio circulante, que é bastante custosa para o BC e para a sociedade, além de gerar novas possibilidades e promover maior segurança e agregar valor para os varejistas”, enfatizou.

Como será a adesão dos estabelecimentos? 

O Banco Central já informou que, para atuar como um agente de saque, os estabelecimentos deverão “celebrar contrato com uma Instituição Financeira ou Instituição de Pagamento participante do Pix”. Essa adesão é opcional e nenhum negócio comercial será obrigado a aderir à nova funcionalidade.

Os estabelecimentos definidos como agentes de saque terão liberdade para definir as condições da prestação de serviço, como a estipulação de quais dias e horários pretendem disponibilizar a oferta de saque (que não precisa acontecer todos os dias, caso o comerciante não queira).

Além disso, os negócios físicos poderão definir todas as condições sobre os valores — desde que o limite de transação (que ainda será confirmado pelo BC) seja respeitado. Por exemplo, uma loja pode determinar que só fará saques de múltiplos de R$ 10 ou que o limite máximo de saque será de R$ 200. O mesmo se aplica ao Pix Troco: é o estabelecimento comercial que vai ditar suas próprias regras para adesão.

O Banco Central ainda sinalizou que “as instituições participantes do Pix que se enquadrem na modalidade provedor de conta transacional e que sejam autorizadas a funcionar pelo BC poderão ofertar o serviço aos agentes de saque’. Pela proposta em consulta, a oferta será obrigatória para as instituições que oferecerem o Pix Cobrança por meio da Pix API a estabelecimentos comerciais”.

Pix Saque e Pix Troco: quando vai começar?

Segundo o cronograma do Banco Central, a previsão é de que o Pix Saque e Pix Troco estejam disponíveis a partir do dia 29 de novembro de 2021. Contudo, entidades financeiras pressionam para a prorrogação desse prazo.

A Associação Brasileira de Bancos (ABBC) pediu o adiamento da implementação do Pix Saque para fevereiro de 2022 e também solicitou o adiamento do Pix Troco por tempo indeterminado.

Tanto a ABBC quanto a Febraban solicitaram diferentes alterações na proposta, entre elas o pedido de que apenas os estabelecimentos comerciais atuem como agentes de saque — na consulta pública, o BC havia definido como agente de saque os estabelecimentos comerciais ou “outra espécie de entidade” que estabelecesse uma relação contratual com o usuário do Pix para a prestação do serviço.

A Febraban afirmou em nota para a Folha que a inclusão de “outra espécie de entidade tornará o processo de implementação mais complexo e moroso e poderá trazer dificuldades para a definição da própria tarifa de intercâmbio reverso”. 

Assim que outras novidades forem homologadas pelo Banco Central, pode ter certeza que a Juno vai te atualizar o mais rápido possível.

Quer continuar essa conversa? Fale com a gente pelas nossas redes sociais @tamojuno 🤟