Tecnologia

Conheça o Pix, o novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central

O Pix vai possibilitar pagamentos e transferências em apenas segundos, todos os dias do ano. A gente conta um pouco mais sobre como essa novidade vai mudar a forma como as transações financeiras são realizadas!

Sistema de pagamentos PIX imagem descritiva
Tempo de leitura: 4 minutos

Para escutar este conteúdo na íntegra você só precisa dar o play! 😉

O Pix é o novo sistema instantâneo de pagamentos e transferências anunciado pelo Banco Central no final de fevereiro. E quando o BACEN fala que vai ser instantâneo não é brincadeira: as transações vão ser realizadas em até 10 segundos, 24h por dia, todos os dias da semana! Mas como exatamente vai funcionar o Pix do Banco Central?

Até o momento, as transferências entre contas bancárias sempre foram feitas por meio de TEDs, que são as Transferências Eletrônicas Disponíveis, e DOCs, que são os Documentos de Ordem de Crédito. E os pagamentos de contas são realizados via boleto bancário, cartões, transações físicas ou até mesmo com dinheiro vivo.

Algumas dessas operações bancárias podem levar dias para serem realizadas e ainda podem acarretar custos para os clientes. Em bancos tradicionais, por exemplo, uma TED pode custar entre R$ 8,00 e R$ 16,00. E é justamente nesses fatores que o Pix veio para fazer toda a diferença. 

Neste post explicamos como vai funcionar o novo sistema que promete mudar a velocidade dos pagamentos. Vem com a gente!

Sistema de pagamentos PIX imagem descritiva


O que é o Pix, afinal?

O Pix vai entrar em operação oficialmente em novembro de 2020, e isso significa que até lá todos os bancos e fintechs com mais de 500 mil contas ativas vão precisar se adequar para poder oferecer esse tipo de serviço. 

O novo sistema de pagamentos do BACEN foi criado com o objetivo de facilitar a transferência de valores entre contas bancárias, o pagamento de boletos e contas e muito mais. 

Seu grande diferencial está na velocidade e disponibilidade: as modalidades de transferências disponíveis hoje, TED e DOC, são restritas tanto em relação a horários e dias quanto em quantias, já o Pix vai permitir que as transações sejam realizadas em poucos segundos, em qualquer dia e horário, além de baratear os custos de cada operação.

Como o Pix vai funcionar?

Antes de entendermos como vai ser, é interessante lembrarmos como funciona hoje. Até então, contamos com as seguintes modalidades de transferência:

TED

A sigla para Transferência Eletrônica Disponível é o tipo de transferência em que o dinheiro sai da sua conta no momento em você faz a operação e já cai no destino, desde que tenha sido realizada antes das 17 horas daquele mesmo dia. Caso tenha feita depois desse horário, o valor só vai cair na conta destinada no próximo dia útil. 

Um outro contraponto desse tipo de transferência é que, depois de realizada, não tem jeito de ser cancelada. Não existe um valor mínimo para TEDs e valores superiores a R$ 5 mil podem ser transferidos. 

DOC 

DOC significa Documento de Ordem de Crédito e é o tipo de transferência bancária que passa o dinheiro da sua conta para outra apenas no dia útil seguinte do pedido. E tem mais:  se você solicitar a transferência depois das 21h59, o dinheiro só vai cair na outra conta dois dias úteis depois. 

Leia também: Saiba como fazer transferências entre contas Juno

Não é só nisso que o DOC é diferente do TED, pois nesse tipo de modalidade só é permitido transferir quantias até R$ 4.999,99. A vantagem do DOC é que dá pra cancelar a transferência se você for até o banco. 

Os dois tipos de modalidades de transferência, ainda que diferentes, funcionam apenas em dias úteis. Isso significa que transferências realizadas em finais de semana ou feriados, só são finalizadas no próximo dia útil.

O Pix muda completamente esse cenário, pois as transações vão ser realizadas em tempo real. Além disso, o sistema vai funcionar todos os dias do ano, 7 dias por semana, 24h por dia. 

De acordo com o Banco Central, as transações do Pix vão poder ser realizadas nas seguintes modalidades:

  • Entre estabelecimentos;
  • Entre pessoas;
  • Entre pessoas e estabelecimentos; 
  • Entidades governamentais. 

Como utilizar o Pix?

Para realizar as transações do sistema Pix, vai ser preciso que tanto quem envia o dinheiro quanto quem recebe tenha uma conta, não necessariamente corrente, em um banco, uma instituição de pagamento ou em uma fintech. 

Chaves de endereçamento

É a nova forma de identificar o seu endereço bancário. Por meio dessas chaves,  o Banco Central reconhece sua conta no banco e valida suas transações bancárias. Mas o que são essas chaves e como isso funciona? São dados como telefone, e-mail ou CPF/CNPJ, que ficam vinculados aos seus dados bancários.

As transações via Pix acontecem por meio de QR Codes Estáticos e Dinâmicos:

QR Code estático 

Esse tipo de QR Code pode ser utilizado em diversas transações. Ele pode ser usado para transferências entre duas pessoas, por exemplo. 

QR Code dinâmico 

O QR Code dinâmico é mais funcional para pagamento de compras, já que vai poder apresentar informações diferentes a cada transação, além de permitir que sejam incluídos dados adicionais sobre determinada transação.

O que a Juno tem a ver com o Pix?

Além da Juno fazer parte do time de fintechs com mais de 500 mil contas ativas (que vai passar a operar com o Pix a partir de novembro), também fazemos parte de um outro time bem especial. Junto com outras 19 empresas no país todo, a Juno é autorizada e reconhecida como Instituição de Pagamentos pelo Banco Central! 

Em breve estaremos com o sistema instantâneo de pagamentos do BACEN disponível em nossa plataforma. O que promete mudar a maneira como são realizadas as transações financeiras no Brasil inteiro! A gente tá ansioso por aqui e você? ;D

Quer saber mais sobre o Pix e como ele vai funcionar na Juno?

Preencha o formulário abaixo e a nossa equipe entrará em contato!

Quer continuar essa conversa? Fale com a gente pelas nossas redes sociais @tamojuno 🤟