Como reduzir custos em condomínios

Foto de Tatiana Michaud
Por Tatiana Michaud
6 min de leitura
27/05/2020

O maior desafio da gestão de um condomínio é reduzir os custos. Mas existem algumas estratégias que podem ajudar o síndico nessa missão. Confira nossas dicas para manter a saúde financeira do seu condomínio em dia!

Reduzir os custos é um dos principais objetivos e também desafios da gestão de qualquer condomínio. Isso porque são muitos os gastos envolvidos e os custos altos na taxa condominial podem trazer sérias consequências, como aumento aumento no índice de inadimplência, maior insatisfação para os condôminos e até mesmo conflitos entre vizinhos.

Segundo dados levantados pelo SECOVI-SP (Sindicato da Habitação), encargos trabalhistas e a folha de pagamento podem representar entre 50% e 70% dos custos de um condomínio. Mas isso não significa que a figura do síndico, responsável por manter a gestão financeira condominial em dia, deve começar a pensar em reduções no quadro de funcionários. 

Existem outras formas estratégicas de reduzir os custos de um condomínio, com foco em uma gestão de finanças otimizada. Confira nossas dicas de como diminuir os custos no seu condomínio!

Custos reais do condomínio

O primeiro passo para começar a otimização de gastos em condomínio é identificar quais são os verdadeiros furos no orçamento condominial. Para isso, o síndico deve fazer uma distribuição percentual das despesas do condomínio: 

  • 50% com despesas de folha de pagamento, como salários e encargos;
  • 30% com consumo de água, luz, gás e telefone;
  • 10% em contratos de manutenção, elevadores, bombas e seguros;
  • 10% em despesas administrativas, bancárias, fundos de reserva e pequenos reparos.

A soma de todos esses custos é a base para o cálculo da taxa condominial.

Gastos fixos do condomínio

Boa parte das despesas condominiais são provenientes de gastos recorrentes, que são aquelas contas que precisam ser pagas todos os meses. Em um condomínio, os gastos fixos são: 

  • Salários dos funcionários;
  • Encargos trabalhistas;
  • Energia;
  • Água;
  • Materiais diversos (limpeza, segurança, etc.);
  • Manutenções;
  • Administradora do condomínio (quando houver).

Além dos gastos fixos, é sempre possível que existam custos extraordinários, que são aqueles que não estavam previstos no orçamento condominial. Esse tipo de surpresa pode acarretar sérios prejuízos para a saúde financeira. 

Para garantir que exista dinheiro em caixa para cobrir esse tipo de gasto imprevisível, é fundamental que o síndico tenha um bom planejamento financeiro do condomínio.

Leia também: Como organizar as finanças de um condomínio?

Condomínio imagem descritiva

Como reduzir os custos condominiais

Com tantas despesas na ponta do lápis, o síndico tem um verdadeiro desafio em mãos na hora de pensar em reduzir os custos do condomínio. Mas com uma boa gestão condominial e algumas estratégias, é possível fazer uma otimização de custos e garantir uma reserva financeira para eventuais imprevistos no condomínio.

Recursos Humanos

Ainda que a maior parte dos gastos fixos de um condomínio seja com a folha de pagamento de funcionários e encargos trabalhistas, isso não significa que o síndico precisa começar a demitir os funcionários. 

Uma boa estratégia é avaliar a quantidade horas extras que estão sendo pagas. Essa análise é importante, pois se muitos colaboradores do condomínio estiverem ultrapassando a sua jornada de trabalho, pode ser um indício de que estão sobrecarregados e isso significa que está na hora de pensar em uma nova contratação. 

Pode parecer estranho contratar mais alguém quando o assunto é reduzir gastos, mas a redução de horas extras impacta muito no orçamento mensal do condomínio.

Consumo de energia elétrica

Além de ser um gasto fixo que sempre impacta no orçamento condominial, pensar em economia de energia elétrica também é uma ação sustentável. 

Para tornar essa economia uma realidade, use lâmpadas de led, que são 80% mais econômicas que as comuns. Outra ação para economizar energia de forma eficiente é investir em sensores de presença, além de  ajustar os elevadores para que eles funcionem de maneira inteligente. Em um primeiro momento, este pode ser um investimento um pouco alto. No entanto, a redução de custos do condomínio vai acontecer a médio prazo.

Existem também algumas práticas simples para o dia a dia que podem ajudar nesse processo:

  • Nas áreas comuns com pouca circulação à noite, é possível usar uma fonte de luz ligada e outra desligada;
  • Deixar desligados aparelhos que não estão sendo utilizados, como os aparelhos da sala de ginástica, por exemplo;
  • Instruir os funcionários para que eles sempre desliguem as luzes quando estiverem acesas sem necessidade.

Consumo de água

Além de fazer um trabalho de uso consciente da água, é possível pensar no aproveitamento e reuso de água no condomínio. Isso significa tratar e reutilizar as águas de chuvas que seriam descartadas.

Caso o condomínio seja mais antigo, é possível instalar hidrômetros individuais que ajudam a economizar cerca de 20% de água.

Assim como para a economia de energia, listamos que podem ajudar a evitar gastos desnecessários de água:

  • Monitorar o consumo de água do condomínio para que seja possível identificar vazamentos quando houver diferença significativa na quantidade;
  • Rever a necessidade de lavar alguns locais todos os dias, como a garagem e as escadas com pouca circulação do condomínio.

Manutenção preventiva

Realizar as manutenções nas datas programadas é a maneira mais eficaz de evitar grandes obras emergenciais no condomínio. É fundamental fazer checklist com todos os itens que devem ser conferidos, como elevadores, extintores e instalações elétricas, por exemplo. 

Gestão eficiente e participativa

Organizar as contas, planejar os gastos e avaliar os seus processos administrativos são as melhores estratégias para garantir a saúde financeira do condomínio.

Dessa forma, o síndico tem conhecimento sobre tudo o que está acontecendo e consegue fazer ajustes sempre que necessário. 

Outra dica é convidar os condôminos a participarem mais ativamente das decisões do condomínio. Além de eles perceberem a importância do assunto, é possível que surja alguma ideia em relação à gestão financeira do condomínio.

Controle de inadimplência

A inadimplência pode prejudicar consideravelmente o orçamento condominial e atrapalhar a previsão orçamentária. 

Muitos condomínios sofrem com níveis altos de inadimplência, mas quando o problema é detectado logo no início, é possível contornar para que a dívida não se estenda por muito tempo. Outra estratégia é manter um bom fluxo de caixa no condomínio – dessa forma, é possível evitar dívidas maiores com a inadimplência. 

Os erros mais comuns na previsão orçamentária mostram o melhor caminho para garantir que no seu condomínio seja realizada da forma certa, garantindo o planejamento financeiro do empreendimento.

Conte com a Juno para fazer a gestão dos seus condôminos e cobranças de forma descomplicada e sem burocracia. Nossos relatórios permitem que o síndico tenha uma visão holística da saúde financeira do condomínio, com dados valiosos, como faturamento, cobranças recebidas e em atraso.

Leia também: Reduza a inadimplência no seu condomínio com a Juno

O síndico pode enviar lembretes automáticos de cobrança alguns dias antes da data de vencimento via e-mail ou WhatsApp, o que ajuda a diminuir a inadimplência no seu condomínio.

É uma forma descomplicada e sem burocracia de manter as finanças do seu condomínio sempre em dia.

Quer continuar essa conversa? Fale com a gente pelas nossas redes sociais @tamojuno! ?