Materiais gratuitos

Como organizar o seu fluxo de caixa?

Seja qual for o seu negócio, planejar um fluxo de caixa é essencial. Com ele, você entende melhor as finanças da empresa, as receitas, as despesas e os valores que influenciam diretamente no seu capital. O que é o fluxo de caixa? É um controle das finanças. Ele permite estipular uma média de qual será […]

Por lais
Como_organizar_o_seu_fluxo_de_caixa
Tempo de leitura: 3 minutos

Seja qual for o seu negócio, planejar um fluxo de caixa é essencial. Com ele, você entende melhor as finanças da empresa, as receitas, as despesas e os valores que influenciam diretamente no seu capital.

O que é o fluxo de caixa?

É um controle das finanças. Ele permite estipular uma média de qual será o valor que sua empresa receberá ou precisará pagar em um determinado período de tempo. Com esse planejamento bem definido, você vai poder tomar decisões mais assertivas. Você saberá o que é melhor para o seu negócio, estipulará objetivos, renegociará contas ou investirá em equipamentos e serviços sem receio de não ter caixa para realizar os pagamentos.

Como fazer um fluxo de caixa para o seu negócio?
Saiba quanto dinheiro a empresa tem

O primeiro passo é identificar o seu saldo inicial, ou seja, o valor disponível no caixa da empresa atualmente. Esse saldo não deve considerar valores a receber ou entradas futuras. Somente o dinheiro que está na conta naquele momento.

Crie sua planilha de registros

Um bom controle financeiro sempre possui uma planilha detalhada. A mesma deve conter todos os registros financeiros que acontecem na empresa. Na sua primeira planilha (que pode ser criada com esse modelo do SEBRAE), você deverá indicar o saldo inicial, as entradas e saídas em um dia. No dia seguinte, em uma nova planilha, você começará a fazer seu fluxo de caixa. A partir do saldo inicial, diminua as despesas (saídas) das receitas (entradas), para obter o saldo operacional, que será somado ao inicial e definirá o saldo acumulado, ou seja, o valor que a sua empresa está faturando no momento.

Faça projeções realistas

Depois de identificar esses primeiros valores, faça uma projeção do saldo para os dias que estão por vir no calendário. O ideal é fazer essa projeção para, no mínimo, 3 meses, considerando custos fixos (aluguel, salários, fornecedores e gastos administrativos, por exemplo) e uma estimativa do dinheiro que poderá receber por suas vendas.
Para cada dia, faça os registros do saldo inicial (valor em caixa naquela data), entradas, saídas, saldo operacional (a diferença entre as entradas e saídas) e saldo final (o resultado do saldo inicial somado ao operacional), como na primeira vez.
No final, você terá uma média de quanto sua empresa vai gastar ou receber durante esse período e como você pode aplicar o seu dinheiro.

Mantenha seu fluxo atualizado

Com as projeções completas, você pode atualizar as linhas da planilha correspondentes aos dias (ou mês) que se passaram. Atualize-as com o saldo efetivo, identificando possíveis mudanças e tomando cuidado para que esse valor não mude o resultado final da sua projeção e você possa comparar o saldo acumulado com o que foi estipulado na planilha.

Dicas para cuidar bem do seu caixa

Agora que já mostramos o que você precisa fazer para criar o seu fluxo de caixa, confira nossas dicas para melhorar esse controle, entender as finanças da empresa e adequar os gastos ao dinheiro que você recebe.

Identifique corretamente todos os valores

Registre cada entrada e saída prevista no seu orçamento. Anote a origem e o destino dessas despesas. Para quem está sendo enviado o dinheiro, a distinção entre formas de pagamento (dinheiro, cheque, cartões), impostos, contas, gastos com marketing e outras transações. Isso vai manter você no controle de cada centavo.

Use períodos de controle combinados

O acompanhamento diário do fluxo de caixa traz um controle mais rigoroso. Assim erros ou furos no orçamento podem ser rapidamente identificados. O acompanhamento mensal, por outro lado, fornece uma visão mais ampla. O ideal é combinar ambos, para que você possa entender melhor o que está acontecendo com o seu dinheiro.

Dê atenção ao ciclo financeiro

Ciclo financeiro (ou ciclo de caixa) é o período entre o pagamento aos fornecedores e recebimento das vendas. Em geral, ele dura 15 dias e, nesse tempo, a empresa precisa bancar as faturas ou serviços sem o subsídio dos fornecedores. Ou seja: será necessário um capital de giro, calculado a partir de faturamento anual, para que as finanças não entrem em colapso e a empresa possa continuar funcionando.

Cuide da inadimplência

Calcular a taxa de inadimplência do seu negócio ajuda você a entender por que os clientes costumam atrasar títulos e qual o percentual disso. Na hora de planejar um investimento e consultar o seu saldo, aplicar essa taxa  mostra se o dinheiro em caixa é suficiente para cobrir os custos fixos, os encargos desses atrasos e gastos extras que você precise fazer.

Analise bem seus extratos

Dar atenção aos extratos bancários é super importante. Isso, para que você não contabilize cheques devolvidos, pagamentos não realizados e outros valores de saída como dinheiro em caixa. Lembre-se que erros como estes poderão resultar em um furo no orçamento.
O resultado não é totalmente preciso, porque devem ser levadas em consideração as projeções de vendas. Elas podem mudar e compor um resultado diferente do seu plano. O importante é criar um quadro bastante realista. Tente minimizar os erros, calculando bem as entradas e saídas.
Com um fluxo de caixa bem estruturado, você poderá identificar problemas facilmente. Aí, basta usar as informações para alterar contratos, negociar compras, cuidar bem dos investimentos e criar todas as chances para a sua empresa se dar bem no mercado!