Meu negócio

Como organizar as finanças de um condomínio?

Fazer uma boa gestão condominial exige manter o planejamento financeiro em dia. Saiba como organizar as finanças de uma condominio no post que preparamos a seguir!

Finanças de um condomínio
Tempo de leitura: 3 minutos

Gerenciar as finanças de um condomínio pode até parecer tarefa fácil, mas quando paramos para pensar no nível de complexidade em administrar as contas de diversos apartamentos, entre outras despesas, conseguimos comparar a gestão de um edifício com a de uma empresa.

Afinal, manter um condomínio em ordem vai muito além do recebimento mensal dos moradores. Por isso, uma boa gestão financeira pode ser a solução para evitar rombos no orçamento condominial.

O síndico precisa ter controle sobre boletos recebidos e atrasados, condôminos inadimplentes e previsões de orçamento para que possa pagar o salário dos funcionários do condomínio, lidar com encargos e possíveis despesas com manutenção e eventuais gastos estruturais.

Isso significa que se a gestão não estiver em dia, as chances de faltar verba para algum dos itens citados acima são muito altas. 

Finanças de um condomínio dicas de como fazer


Quanto custa manter um condomínio?

A resposta para essa pergunta pode variar, pois o custo e também as despesas mensais de cada condomínio podem apresentar grande variação. 

No entanto, o ICON (Índice dos Custos Condominiais), realizado na região metropolitana de São Paulo pelo Secovi-SP, (Sindicato da Habitação), nos ajuda a entender um pouco mais sobre quanto de fato custa manter a saúde financeira de um condomínio.

De acordo com o estudo, entre dezembro de 2018  e novembro de 2019, o índice registrou um crescimento de 3,97% na taxa condominial. 

A figura do síndico entende que qualquer aumento na cobrança de seus condôminos vai causar insatisfação e essa é a grande dor da gestão condominial. 

Qual é a forma certa de evitar que o seu condomínio tenha uma má gestão financeira? 

Coloque a casa em ordem

Antes de mais nada, é fundamental entender os grandes rombos no orçamento do seu condomínio e perceber se eles são recorrentes. Por exemplo: todo edifício pode, eventualmente, apresentar problemas estruturais,  gerando um impacto significativo e inesperado no orçamento. Para prevenir esse tipo de problema, é importante que o condomínio passe por inspeções constantes. 

Outros fatores de risco que são importantes para considerar no planejamento financeiro do condomínio: 

  • Boletos em atraso;
  • Condôminos inadimplentes. 

Planejamento financeiro

Depois de conseguir visualizar a origem dos principais gastos, o síndico precisa de fato organizar as finanças para que, além de não faltar verba para manter o condomínio, ainda sobre o suficiente para um fundo reserva

Essa garantia financeira precisa estar prevista no planejamento para gastos que não estão previstos no orçamento, mas que geralmente são responsáveis por gerar grandes dívidas para os condomínios. Quando falamos em gastos não previstos, estamos falando sobre danos estruturais e medidas de emergência que todo condomínio precisa estar pronto para implementar, caso necessário. 

Reduza custos

Agora que já falamos sobre planejamento, é importante dar algumas dicas de como reduzir custos dos condomínios:

  • Portaria remota; 
  • Medidas sustentáveis: placas de energia solar, sistemas de reutilização de água, etc; 
  • Cobrança de condôminos inadimplentes;
  • Sensores de luz para economia de energia elétrica;
  • Campanhas para o uso consciente da água; 
  • Manutenções preventivas.


Gestão financeira

Tudo que falamos até aqui nada mais é do que manter a gestão financeira do seu condomínio em dia. Para que isso seja possível, a dica de ouro é evitar a todo custo gastar mais do que o condomínio arrecada mensalmente. 

O síndico precisa registrar todas as cobranças emitidas, pagamentos recebidos e transações realizadas, além de manter uma gestão transparente com os condôminos, para que todos saibam que o dinheiro do condomínio está sendo investido da melhor forma possível. Isso costuma acontecer nas reuniões e assembléias, nas quais decisões importantes sobre investimentos e gestão condominial são tomadas. 

O síndico pode contar com plataformas especializadas que fazem a gestão dos seus condôminos e cobranças. Dessa forma, é possível visualizar com facilidade quem está com o condomínio em dia e quem ainda está inadimplente, o que torna a gestão condominial muito mais eficiente. 

Gostou das nossas dicas sobre como fazer a gestão financeira de um condomínio? Ficou com alguma dúvida? Conta pra gente nos comentários! 🙂